Monday, January 09, 2017

O ESTADO NOCIVO QUE NÃO NOS REPRESENTA


Existe uma maneira de pensar neo liberal  sobre o “Estado Mínimo”, ou seja, que sua ação seja restrita ao essencial. Vamos, então, discutir o que é “essencial”.

Penso que essenciais sejam os serviços de saúde, segurança, educação básica e infraestrutura pública. Em nosso país, todos esses serviços são precários, ineficientes e alvos de desvio de recursos.

A saúde pública funciona como marketing para os planos de saúde privados. Sem recursos em uso – digo “em uso” pelo fato de existirem estruturas de saúde novas abandonadas por problemas burocráticos e mau planejamento – a população é desassistida e adoece em função de inexistência de políticas eficazes de medicina preventiva.

A segurança pública é racista, seletiva e ineficiente, tanto por falta de recursos como por falta de qualificação e inteligência. Mais uma vez, a segurança privada tem mercado garantido.
A educação básica não atende o mínimo esperado para formação de um indivíduo que saiba, pelo menos, escrever uma carta. Pensar num indivíduo questionador, criativo e autônomo somente através, mais uma vez, de educação privada.

A infraestrutura está sempre dependente de investimentos privados, “parceiros” que têm, demonstrado, em muitas situações, pontes para o desvio de recursos para políticos e partidos.
Temos uma carga tributária que está entre as maiores do mundo e não temos o mínimo que um “Estado Mínimo”, como prevê a teoria neo-liberal, deveria oferecer.

De fato, se um Estado Mínimo garantisse esses serviços, estaríamos num patamar que sempre desejamos alcançar, mas, nunca conseguimos.
Os escândalos se alternam entre esses serviços, com chacinas em presídios que comandam o crime organizado de dentro deles, pessoas morrendo em filas de hospitais por mau o inexistência de atendimento, alunos que não aprendem o mínimo nas escolas, escolas sem manutenção ou inexistentes em algumas regiões, além de regiões comandadas por facções criminosas que determinam quem entra, quem sai e quem vive.

Em meio a todo esse cenário, o governo preocupa-se com a aposentadoria. Outra questão polêmica: afinal, o cidadão é obrigado a depositar parte de seu salário mensal para prover recursos para sua aposentadoria, tendo seus recursos atualizados em níveis inferiores à inflação e, quando chega o momento de retirar esse valor, o governo decide que não tem recursos – que o Estado irá se quebrar !!!

Uma solução seria, então, eliminar a previdência pública, eliminando o referido desconto na folha de pagamento mensal do trabalhador, e deixando que o mesmo buscasse uma previdência privada e, novamente, o sistema empurra o trabalhador para o serviço privado.

E a democracia? Onde se pratica?

Parlamentares têm foro privilegiado, aposentadoria diferenciada, assistência médica privada e segurança particular, o que demonstra que o governo não está sendo conduzido para o povo, mas, antes, para um grupo seleto da sociedade.
Outro discurso do governo é a austeridade fiscal, que parece um discurso correto, justo, mas, na prática, não tem servido para diminuir os gastos públicos, mas, apenas para falir o sistema de atendimento à população.

O que me parece é que existe um Estado que atende ao sistema financeiro internacional. Parece teoria de conspiração, mas, explica todo o modelo.

Os cidadãos contribuem com uma margem alta de impostos, o Estado desvia recursos de suas finalidades, mas, procura estar em dia com suas dívidas privadas e, por essa razão, promove políticas de gerenciamento dos municípios. O modelo exige a captação de recursos privados e alimenta a dependência com o único privilegiado no processo: o sistema bancário, que empresta a juros altos e aumenta sua participação nos serviços públicos, apossando-se do patrimônio que, em princípio, deveria ser da população.

Esse sistema viciado me faz ver o Estado como um agente nocivo à população, que se alimenta do investimento público para investir em grupos alheios aos anseios da população.
Manter o Brasil doente, inseguro e ignorante é a fórmula adotada para fazer funcionar o modelo.

O CICLO: a população paga os impostos e alimenta o Estado, que, através de parcerias e financiamentos a juros elevados, alimenta o sistema financeiro e esse, alimenta a iniciativa privada que, por conseguinte, vende serviços privados à população como única opção de qualidade.


O modelo não contempla soluções, investimento público em serviços ainda que essenciais, pois, isso quebraria o ciclo.

Um governo desse tipo não se atribui a um presidente ou partido, mas, a uma estrutura onde os nomes de nada interessam, apenas surgem como fontes de ilusão pública, que ainda crê que esse político ou aquele partido, a direita ou a esquerda, colocariam o país nos trilhos.

A inutilidade do Estado gera, cada vez mais, o desinteresse da população e a alienação pelas causas políticas. É um caminho sem retorno, dilacerando a fé nos serviços públicos e na classe política, abrindo a porta para a desobediência às leis, à corrupção e à desintegração social.

Talvez sejam os momentos finais de uma era, que ruirá de podre em algum momento, não antes de flagelar a população já desassistida.







Sunday, September 25, 2016

DESTINO E FATALIDADE


Em certa ocasião, assisti a um filme “trash”, ou seja, um filme mal feito e de pouca expressão, do gênero terror, mas, de tão ruim, não me lembro de nem do nome e nem o enredo. Entretanto, em certo momento, Boris Karloff, ator britânico famoso por suas atuações em filmes desse gênero, aparece e conta uma história que, de tão interessante, ficou na minha memória até os dias presentes e fez com que meu tempo não tivesse sido de todo perdido diante da TV naquele dia.

A história era sobre a fatalidade do destino e era mais ou menos assim...

Vivia no Irã, na cidade de Isfahan, um rico mercador que tinha muitos criados. Entre eles, havia um em especial, que lhe era mais próximo. Certo dia, ao voltar do mercado, esse criado chegou ao mercador, muito pálido e assustado. Prostrando-se diante do mercador, perguntou:

- meu senhor, tenho sido seu servo fiel. Em toda a minha vida, alguma vez traí à sua confiança? Em algum momento deixei de atendê-lo ou faltei em algum serviço a mim direcionado?

- claro que não, respondeu o mercador, você é meu melhor criado, o que mais confiei em todos esses anos.

- poderia eu, humildemente, pedir-lhe um favor, o que nunca lhe fiz antes? Seria eu merecedor de sua benevolência em um momento emergencial em minha vida?

O mercador olhou-o pensativo, respondendo em seguida:

- pela sua fidelidade e retidão, tenho contigo uma dívida: peça o que quer e, estando ao meu alcance, terei o prazer em lhe atender.

O criado, aliviado, fez seu pedido:

- senhor, preciso de um cavalo e mantimentos. Devo partir imediatamente, pois, pretendo estar ainda esta noite, na cidade de Samara.

O mercador assentiu, concedendo o melhor cavalo e mantimentos variados e em abundância para sua viagem.

Ao se despedir, entretanto, perguntou ao criado:

- posso saber o motivo de sua viagem tão repentina?

- claro senhor, respondeu o criado. Ocorre que esta manhã, quando fui ao mercado, encontrei o anjo da morte e ele me olhou de forma ameaçadora. Preciso sair daqui rapidamente, pois, corro risco de morrer.

Despediram-se e o criado se foi, galopando rumo à cidade vizinha de Samara.



O mercador, entretanto, curioso com a história do criado, foi ao mercado para procurar o tal anjo da morte. Chegando lá, após procurar em algumas tendas, encontrou um homem de faces assustadoras, com vestes negras. 
Chegou-se a ele e perguntou: quem é você?

- sou o anjo da morte, respondeu o homem sinistro.

O mercador, então, prosseguiu:

- como ousa ameaçar meu melhor criado que veio ao mercado obedecendo minhas ordens?

- ameaçar? respondeu o anjo, de forma alguma !  eu apenas fiquei espantado em vê-lo aqui, pois, tenho um encontro com ele nesta noite, na cidade de Samara !
....


Encontrei uma história semelhante no seguinte endereço:
http://www.psicologiamsn.com/2011/02/conto-morte-e-o-destino.html, mesmo endereço em que encontrei a imagem adicionada a este post.