Monday, June 20, 2011

Eficiência Energética: por que não em Joinville?

Publicado no Jornal A Cidade - Joinville, 20 de junho de 2011
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/home.jsp?localizador=A%20Noticia/A%20Noticia/Leitor-reporter/7317&secao=detalhe
  • João Abeid Filho | rotadovento@yahoo.com.br

     No dia 13 de junho passado, esteve na Acij o presidente da Celesc, Sr Antônio Gavazzoni, ocasião em que anunciou que aquela empresa investirá R$115 milhões de reais na região de Joinville, nos próximos quatro anos.

    Os investimentos anunciados referem-se a obras de infra-estrutura elétrica, para garantia de atendimento à demanda pela chegada de novas empresas na região, além do esperado crescimento previsível para o setor elétrico.

    O que poucos sabem, entretanto, é que existem mais recursos destinados a Eficiência Energética.

    A Aneel (Agência Reguladora de Energia Elétrica), estabelece, em seu contrato de concessão com a Celesc, que, do Resultado Operacional Líquido Anual – ROL, sejam destinados 0,5% em ações de Eficiência Energética.

    Essas ações têm como finalidade o investimento na eficiência energética em prédios públicos, hospitais e ONGs e principalmente (60% desse montante), para atendimento a famílias beneficiadas com o Cadu – Cadastro Único (Bolsa Família).

    Em Joinville, existem cerca de 16.000 famílias que poderiam ser beneficiadas por esses recursos.

    A Celesc tem investido em diversos municípios de Santa Catarina, mas, estranhamente, não investe em Joinville.

    Para se ter uma idéia, este ano, nas palavras do próprio presidente da Celesc, estão sendo investidos R$58 milhões de reais – (nenhum valor para Joinville até este momento) – de um total de R$200 milhões a serem investidos nos próximos 4 anos.

    O que poderia ser feito com esse recurso (que já está sendo feito em outros municípios):

    - substituição de lâmpadas, geladeiras e chuveiros por modelos eficientes, para cada uma das 16.000 famílias que recebem o Bolsa Família no município.

    Outros benefícios podem vir associados ao projeto, como fazem outras concessionárias de energia no país, como o investimento em cursos profissionalizantes para a população de baixa renda, por exemplo.

    Estive no evento e perguntei ao Sr Gavazzoni se Joinville seria atendida, obtendo a resposta de que a Celesc pretende sim investir na cidade com esses recursos.

    Pela experiência que tenho de trabalho no setor elétrico, entendo que cabe agora ao poder público municipal bater às portas da Celesc e cobrar esse investimento.

    Afinal, Joinville é a maior cidade do estado em população, estou certo?


    Administrador, Consultor e Professor

Wednesday, June 01, 2011

Eficiência Energética


A busca da sustentabilidade, tanto por parte dos indivíduos quanto por parte das empresas, é algo que sempre ocorreu e baseia-se em dois princípios básicos: a rentabilidade e a redução de custos.
O reconhecimento dos limites dos recursos planetários trouxe à sustentabilidade outro princípio igualmente importante: o uso consciente e responsável desses recursos, visando trazer às gerações futuras, um mundo igual ou melhor que o nosso, do ponto de vista da qualidade do meio ambiente.
No que se refere à energia, sabe-se que a sua obtenção, com o atual conhecimento científico, envolve sempre algum tipo de impacto ambiental.
Até mesmo as usinas eólicas podem causar a desertificação, por espantar pássaros e insetos, comprometendo a polinificação.
O problema é que a nossa sociedade não seria mais viável sem a energia, mas se ela não for utilizada com novos paradigmas, também não terá lugar neste mundo, tornando-o cada vez mais inóspito.
No Brasil, o PROCEL – Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica, criado pelo governo em 1985, atua desde então com esse tema.
Hoje, o conceito de “conservação de energia”, não mais é utilizado, pois energia não pode ser “conservada”.
“Eficiência Energética” é o nome atualmente utilizado, pois reflete melhor o que se busca: o uso da energia de forma que os impactos ambientais sejam mitigados, sem que isso venha a privar a sociedade dos benefícios mais que necessários, muitas vezes vitais.
Vitais sim, pois se repentinamente fôssemos privados da energia, um caos se estabeleceria, resultando em risco para a vida de grande parte a população mundial.


Mas, como buscar a “Eficiência Energética”?

Se você é empresário, sua busca pela redução de custos deve ser constante, sendo a energia um dos recursos a serem administrados de forma a obter o máximo de benefícios com o mínimo de investimentos.
As novas legislações ambientais trarão cada vez mais custos para quem insistir em desperdiçar ou não souber descartar seus dejetos industriais, causando impactos ambientais.
Empresas com fornecimento em alta tensão já desfrutam de um mercado livre, o que lhes dá maior poder na negociação com as empresas distribuidoras de energia elétrica.
A busca de produtos cada vez mais eficientes traz um momento de grande pesquisa e de novos lançamentos freqüentes.
É preciso portanto buscar sempre o melhor fornecedor e a melhor alternativa energética, o que pode variar a todo momento, exigindo dos administradores uma atenção permanente sobre o que se oferece no mercado.


Mas e quanto à população?

As famílias não desfrutam de um cenário de escolhas: são o que se conhece como “mercado cativo”.
Sem a opção pelo fornecedor de energia, precisam ficar atentos aos produtos, às formas de utilização eficiente e aos seus direitos como cidadãos, garantidos por lei e algumas vezes desconhecidos.
Vamos então tratar de cada um desses aspectos.

Produtos eficientes

Toda vez que você for comprar um equipamento elétrico, preocupe-se com o seu consumo de energia.
Alguns produtos podem apresentar o “Selo PROCEL”: significa que foram testados pelo INMETRO e apresentam uma avaliação sobre o consumo em sua categoria de produto.
Mas atenção: um produto com Selo PROCEL deve apresentar a classificação “A”, de uma escala de “A” a “E”.
Além disso, é preciso entender que a classificação é feita por categoria de produto.
Assim sendo, um refrigerador duplex com classificação “A”, pode ter um consumo maior que um outro, e uma porta, pois pertencem a categorias diferentes.
Mas nem todos os equipamentos possuem essa avaliação.
Nesse caso, é preciso saber a “potência em Watts” do equipamento.
Isso porque o consumo mensal, que vai significar o quanto em reais você terá que pagar, é o resultado da “potência em Watts” vezes o “tempo de utilização” desse equipamento.
Procure sempre produtos pela sua potência em Watts – afinal, você já faz isso com outros produtos, como quando compra um automóvel e avalia o seu consumo de combustível como parte decisiva no fechamento do negócio.

Formas e Utilização Eficiente

Como foi dito nas linhas anteriores, o consumo mensal de energia é o resultado da “potência em Watts” do equipamento, vezes o “tempo de utilização” desse equipamento.
Usar de forma eficiente significa então reduzir a potência em Watts dos equipamentos, ou o tempo de utilização desses equipamentos, ou ainda, se possível, as duas coisas.
Mas como reduzir o tempo de utilização dos equipamentos elétricos?
Vamos discorrer sobre cada equipamento elétrico em sua casa.

Lâmpadas
As lâmpadas incandescentes partem de 40 Watts e vão até 200 Watts normalmente em uma residência.
Substitua-as por modelos fluorescentes, que iluminam de mesma forma, mas com um consumo que parte de 15 Watts até 30 Watts.
As lâmpadas em LED são ainda mais eficientes, partindo de menos e 1 Watt de potência.
É preciso entretanto analisar o custo x benefício da troca, considerando o valor a ser investido, a energia a ser economizada e o tempo de duração dessa lâmpada.
Aproveite ao máximo a luz do dia e mantenha apagadas as luzes em locais onde ninguém estiver presente.

Televisão, DVD, Blue Ray, Video Games
Mais uma vez, optar por produtos com menor potência, mas mantê-los ligados apenas enquanto estiverem sendo utilizados.
Se estiverem desligados, retire-os também da tomada: na tomada, mesmo desligados, consomem energia para manterem-se no estado conhecido como “stand by”.
Além disso, tirá-los da tomada pode salvá-los de descargas elétricas na rede, evitando queimas que nem sempre são cobertas pela distribuidora de energia.
E lembre-se que ninguém precisa da TV ligada enquanto está no computador.

Chuveiro
Opte por chuveiros híbridos, compostos por coletores solares e chuveiros elétricos com manuseio eletrônico de temperatura.
Existem muitos modelos no mercado e alguns com tecnologias sociais, com custos bem reduzidos.
O chuveiro tem alta potência e vale a pena investir um pouco mais na compra, pois o resultado nas contas mensais são significativos.
O tempo no banho deve ser também alvo de atenção: reduza-o ao mínimo necessário, entre 4 e 10 minutos, no máximo.
Enquanto estiver se ensaboando, desligue-o, religando para então tirar o sabão do corpo.


Geladeira
Procure modelos com Selo PROCEL classe “A”  e troque a sua geladeira antiga por uma nova – a redução no consumo mensal pode algumas vezes cobrir um carnet de pagamentos por um modelo novo.
A geladeira é uma “máquina de fazer frio”. Assim sendo, mantenha-a em locais distantes do sol, longe de janelas e do fogão – tudo o que estiver próximo dela e gerar calor, fará com que o seu motor funcione mais do que deveria, aumentando o consumo e reduzindo sua vida útil.
Não forre as prateleiras internas: elas são vazadas por um motivo técnico que é manter o ar interno em circulação.
Não coloque nada em sua parte traseira para aquecer ou secar: isso força o motor, exige mais trabalho, maior consumo e menor vida útil.
Verifique as borrachas de vedação: com um pedaço de papel, feche a porta travando-o e então tente removê-lo – se você conseguir fazê-lo com facilidade é porque a vedação não está boa e deve ser trocada a borracha da porta.
Alimentos quentes e líquidos destampados também devem ser evitados – tampe os líquidos e espere os alimentos esfriarem antes de colocá-los na geladeira.


Máquina de lavar e ferro de passar roupas
Ambos devem ser utilizados observando-se a regulagem sugerida pelos fabricantes.
Também as máquinas de lavar roupas possuem Selo PROCEL – compre-as com classificação “A”.
Junte as roupas para lavar e passar, de forma que utilize a máquina de lavar roupas e o ferro elétrico apenas uma vez por semana, ou quando ocuparem todo o volume da máquina.

Fiação elétrica
Há alguns anos, não havia microondas, computadores domésticos, DVD, blue Ray, vídeo games e tantas outras invenções que hoje utilizamos diariamente.
As residências não foram dimensionadas para esse tipo de consumo.
Na grande maioria das vezes, existem poucas tomadas e as pessoas acabam por utilizar-se de benjamins.
Isso pode causar incêndios, pelo superaquecimento dos fios na parede, que não foram dimensionados para essa nova carga, além de causar um desperdício de energia pela dissipação de calor.
Rever as instalações elétricas pode trazer redução no consumo e, mais importante, segurança para a sua família.

Direitos
Observar seus direitos é algo que muitos não fazem.
Muitas vezes por desconhecê-los.
Algumas dicas para você melhorar sua relação com a distribuidora de energia, trazendo-lhe vantagens econômicas e financeiras:
- Tarifa: a tarifa residencial é mais cara que a comercial, assim como o imposto ICMS: se você tiver um comércio em casa, procure a tarifa comercial e sua conta ficará menor.
- Tarifa Social: se você é beneficiado com algum programa do governo como Bolsa Família, tiver o Número de Inscrição Social – NIS, procure sua distribuidora de energia, pois você tem direito à Tarifa Social, com custo menor.
- Data de vencimento das contas mensais: você pode optar por outra data de vencimento para a sua conta de luz e a distribuidora é obrigada a lhe fornecer alternativas. Escolha uma data que esteja mais de acordo com o dia em que recebe seus pagamentos, assim você evita pagar contas com atraso e, assim sendo, evita o pagamento de multas.
- Substituição de lâmpadas, geladeiras, reformas nas instalações elétricas internas: se você é beneficiado com algum programa do governo como Bolsa Família, tiver o Número de Inscrição Social – NIS, procure sua distribuidora de energia, pois você tem direito a esses serviços “gratuitamente”. As concessionárias são obrigadas a fazer investimentos como esses e você pode ser contemplado em algum momento. Também podem ser oferecidos cursos profissionalizantes, palestras e outros benefícios.
- Mudou-se para uma casa com dívidas de energia elétrica deixadas pelo morador anterior? Elas não são suas e você deve provar para que não lhe sejam imputadas. Basta um contrato de locação ou e compra de um imóvel com a data de sua mudança para o local. Se você mora em um imóvel ainda não regularizado e, portanto, sem condições de registro em cartório de contratos, procure a associação de moradores e obtenha instruções sobre como comprovar sua mudança.

Mais informações? Entre em contato com João Abeid Filho pelo e-mail: rotadovento@yahoo.com.br, para esclarecimentos e palestras.